quarta-feira, 15 de fevereiro de 2006

... Qual a verdade do Holocausto? ...

... Mohammed Taheri, embaixador do Irão em Lisboa, em entrevista à Antena 1, pôs em causa a dimensão do número de vítimas do Holocausto, afirmando que «para se incinerar seis milhões de pessoas são precisos 15 anos», concluindo por isso que ainda há muito para explicar e contar sobre o assunto.
Concordo plenamente! A verdadeira história sobre o holocausto ainda está por contar, os judeus auto-vitimizam-se desde que "venderam Jesus Cristo aos romanos. Já por mais que uma vez aqui o afirmei: Morreram mais Índios na América do Norte que judeus na II guerra Mundial. Morerram também mais Índios na América do Sul e Africanos durante a escravatura que judeus no holocausto. Uma tragédia não pode nem deve justificar outra, mas tivessem os Índios e os Africanos, ou pelo menos os familiares das vítimas, o poderio financeiro dos judeus e hoje estariamos ainda todos a falar das indemnizações que americanos e espanhóis ainda andavam a pagar.
Como sempre acontece, a história é escrita pelos vencedores, e a história que se conhece do holocausto só tem um rosto: O dinheiro dos judeus e a versão dos aliados, mas terá sido mesmo assim?
Quantos judeus não morreram porque foram denunciados por outros judeus?
Um erro não justifica outro, muitos judeus foram assassinados apenas por terem outra religião, mas pelas mesmas razões assassinaram-se árabes, católicos... que Deuses serão estes que permitem que se mate em Seu nome?
Um assassino nunca tem perdão seja ele católico, muçulmano ou judeu.
Já agora apenas outro comentário: Se os judeus podem ter armas nucleares porque razão não podem os Árabes também ter? O problemas é que nem uns nem outros as deveriam ter, nem eles nem ninguém, mas isso sou eu a divagar. Isto da democracia e dos direitos serem apenas para uns faz-me lembrar o "Triunfo do Porcos"...

3 comentários:

Dresden citizen disse...

Quer queiram quer não o Hitler era socialista. E se, mesmo assim, restarem dúvidas é só lembrarmo-nos que o principal aliado, quando a guerra começou, era precisamente a União Soviética. Ainda há dúvidas?
Daí o branqueamento que foi feito e que ajudou as partes interessadas, o Ocidente e o socialismo.
Já agora e a talhe de foice, está-se a fazer quase o mesmo com a História da guerra colonial. Porquê tanto silêncio? Quando se ouve alguma coisa é sempre na voz de oficiais do quadro. Nunca se ouvem falar os milicianos, os verdadeiros combatentes que estiveram no terreno. Esta é a maior filha da putice do 25 de Abril.
Estas duas Histórias branqueadas são o verdadeiro espelho da hipocrísia que existe na comunicação social.
Afinal a liberdade de expressão existente não será assim tanta como dizem...

Weisswurst disse...

A auto-vitimização dos judeus é muito anterior ao episódio de Jesus Cristo. A mania da perseguição já vem do tempo em que Moisés guiou os hebreus pelo mar vermelho!
Estamos a falar de um povo, que em toda a sua história, precisou de engendrar perseguições, atrocidades, barbaridades e injustiças para legitimar a própria existência. Aconteceu no passado e está acontecer agora.
É para isso que existe o muro das lamentações.

Stefano disse...

ah... sabia ke Alfred Rosenberg e Adolf Eichmann eram judeus ???
(Veja os sobrenomes "ashkenazis" deles)....