sábado, 5 de agosto de 2006

... Cromos do Jet-set ...

... Esta semana tive uma reunião na redacção de uma das mais vendidas revistas de Tv em Portugal. Já lá havia estado dezenas de vezes, nomeadamente, quando fazia parte do grupo dos "cromos do Jet-set".
Quando lá cheguei já lá se encontrava o actual "rei dos cromos do jet-set". A conversa que estava a ter seria digna de figurar nos anais da superficialidade e é o exemplo, vivo, da capacidade, nula, que o nosso "Jet-set" possui, ainda mais grave é a confirmação cabal, se é que fosse necessária, da inexistência total de produtividade, talento e capacidade de trabalho.
Obviamente que por razões de índole moral e ética, até porque a conversa que escutei estava a ser mantida num âmbito pessoal entre o "personagem" e elementos da revista, não irá aqui ser divulgada. Apenas adianto que o talento alardeado pelo "senhor" em questão era o de atrair mais atenções nas encenações que produz ao chegar ao aeroporto de Lisboa e a outros locais publicos. A sua capacidade é a de atrair mais olhares que outras figuras dos "cromos do jet-set" que nem mesmo com chegadas em limusine conseguem fazer sombra ás suas aparições.
Pergunto se tal personagem paga impostos, faz descontos ou se simplesmente alguma vez trabalhou ou contribuiu para o bem estar comum.
Ontem à tarde, em conversa telefónica com um amigo, chefe de redacção de uma outra revista de televisão, perguntei o que era feito do Zé Maria, o tal das galinhas, a resposta foi um lacónico: "não se sabe nada dele, parece que está a trabalhar".
Fiquei espantado, quando alguém devia ser falado e elogiado por estar "apenas" a trabalhar e ter deixado o mundo dos "cromos do Jet-set", deixa de ser noticia.
Quando chegará o dia em que a competência profissional será, finalmente, valorizada?
Quando chegará o dia em que a incompetência e a inexistência de actividade cerebral deixará de ser glorificada?...

1 comentário:

Xavi disse...

Oh meu caro amigo, quando esse dia cheagr...estaremos definitivamente a contribuir para um mundo melhor...até lá...temos de ficar com o que temos...