sábado, 22 de julho de 2006

... Segunda Chance...



... Este texto poderá, para os mais distraídos, ser entendido como um pouco "lamechas" mas em bom rigor não é.
Escrevo-o depois de há umas horas atrás ter sido interpelado por um desconhecido na rua, na sequência do que me tem acontecido nos últimos tempos, e que me perguntou se eu estava na RTP. Tendo respondido que não, que apenas prestei uma pequena colaboração em três transmissões de futebol de praia, o senhor olhou para mim e disse que era "uma injustiça" o que me tinham feito e que eu "merecia mais" do que aquilo que tenho tido. Agradeci e prometi que não iria desistir.
Contudo fiquei a pensar nas palavras daquele senhor e cheguei a uma conclusão contrária.
Não cometeram injustiça nenhuma comigo, tive, provavelmente, aquilo que mereci ou, noutra perspectiva, aquilo que aceitei que me fizessem. Melhor ainda, ninguém me fez rigorosamente nada, eu é que fiz a cama em que me deitei.
É isso mesmo, os passos que dei foram pensados e se correram mal foi porque eu quis arriscar, podem ter estendido a passadeira é certo, mas ninguém me empurrou, o primeiro passo foi dado conscientemente, não tenho por isso que culpar ninguém, nem tão pouco a mim.
Não me posso queixar, já que estou a ter uma segunda chance de recuperar a minha vida e com lucro.
Tenho uma filha linda que Amo e me Ama a mim; uma companheira que, provavelmente não mereço, mas que faz de mim o Homem mais feliz à face da Terra e que comigo partilha esse sentimento em vias de extinção que é o Amor; uma família que me atura os "azeites", uns amigos, poucos, que estão do meu lado quando mais preciso; "irmãos" que me amparam e ajudam a encontrar a Luz. Que mais posso desejar?
Profissionalmente as coisas não correm pelo melhor mas se recuar dois anos, quando não tinha sequer trabalho, até aí estou a ter uma segunda chance. Não é fácil? Efectivamente não. Por vezes sofro na pele injustiças que roçam a humilhação? Sofro, mas mais importante que tudo isso é não me sentir humilhado, porque não humilha quem quer mas sim quem se deixa humilhar. Quantos conseguiriam reerguer-se da lama e continuar a caminhada de cabeça levantada?
O caminho está traçado e apesar das contrariedades e injustiças cá vou "cantando e rindo" porque sou um homem feliz de verdade e quantos daqueles que pensam estar a humilhar-me se podem considerar felizes? Quantos daqueles que pensam ser poderosos o são na verdade?
É bom poder ter uma segunda chance na vida, eu estou a tê-la e só posso dizer Obrigado por isso...

5 comentários:

Xavi disse...

É essa a diferença entre os que têm estofo de vencedores, e os que são simplesmente vencidos....!

É a capacidade de depois de cair, levantar, e voltar a escalar, mesmo com dores, mesmo cansado, voltar a escalar...porque quando se voltar ao topo...vai saber MUITO MELHOR!!

Boa Sorte na escalada!!!

bolchi disse...

Que força me das para sair da lama para onde me querem atirar.Sou tua irmã, sempre.Que infelizes são por não se terem dado ao trabalho de te conhecerem...

eugenio disse...

Zé, a tua humildade consegue ser maior que o teu coração.
Lembra-te que por cada 8 medíocres, há um génio e um maluco (ou vice-versa) que fazem sempre a diferença.

É o teu caso.

aquele abraço
EQ

Caneladas disse...

Força, Zé!

Ana Oliveira Cordeiro disse...

Vim aqui parar por mera casualidade, tal como ontem, num jogo de futebol, ao desfolhar o jornal "Ripa na Rapaqueca", me deparei com o seu nome no "plantel"...

Se me permite um comentário ao seu texto...

Tantas vezes damos segundas oportunidades a tantas coisas... aos amigos, aos amores, aos colegas, à família...

Esquecemo-nos, porém, de dar uma segunda oportunidade a nós próprios... uma segunda oportunidade para viver, para amar, para sorrir, para chorar, até para simplesmente, ser...

O importante é transformar essas "injustiças" em novas forças para continuar a escalada com passos firmes, pois só assim descobrimos que somos mais fortes do que alguma vez julgávamos ser... e, no fim, sairmos vencedores... uma VITÓRIA que terá um alegre sabor!!

Muito boa sorte para a caminhada... da vida!